CAPÍTULO 34

A campainha toca.
É Zuzish, uma bela Anunnaki que trabalha como engenheira na fábrica de armas. Lizi a recebe e a hospeda.
– Nebo já vem! – Fala para Zuzish.
Quando Nebo chega do trabalho, a mesa já está posta. Ele cumprimenta Zuzish, já sabia de sua visita, mas, estranha que a mesa está posta somente para dois. Lizi os avisa que o jantar já está pronto, os acomoda à mesa, abre um vinho e se retira, deixando Nebo e Zuzish a sós. Ele não entende nada e olha ao redor procurando-a, esperando que se junte aos dois para jantar, mas ela não vem.
- A que devemos a honra de sua visita? – Nebo pergunta, meio sem jeito, a Zuzish.
- Como assim? – Responde Zuzish - Você me convidou!
- Eu? – Pergunta Nebo sem saber o que está acontecendo.
- Sim, a sua escrava me entregou seu convite.
- Ela não é minha escrava, é minha espos... quer dizer minha amiga e colega de trabalho. – Falou Nebo – Ela me disse que você é quem marcou esta reunião para tratarmos de negócios.
- Bem... – Fala Zuzish um pouco incomodada -, ela me disse que foi você quem marcou, e que... seria um jantar intimo. – E completou nervosa - Acho melhor você trocar de escrava, porque esta é uma mentirosa.
- Eu não admito que fale assim de Lizi! – Explodiu Nebo - E não aceito em minha casa qualquer Anunnaki que considere os Lulus como escravos, eles são, com toda certeza, muito melhores que nós. Põe-se daqui para fora! – Gritou, levantando da mesa e apontando em direção à porta de saída.
Nebo entra rapidamente pela porta do quarto e já sai gritando, irritado, para Lizi:
– O que você está querendo com este seu ato...
Mas logo que a viu, mudou seu comportamento. Ela está deitada em sua cama, aos prantos, completamente desesperada. Nebo deita-se ao seu lado e a abraça. Ficam abraçados, em silencio, por um longo tempo, quando ela finalmente se acalma, Nebo perguntou:
- O que aconteceu Lizi? Não consegui entender o que você fez...
- Você sempre fala tanto em ser pai – fala Lizi soluçando -, e eu nunca poderei lhe dar um filho.
- Ah, Lizi, meu amor. – Falou carinhosamente - Eu até quero ter filho, mas só se for com você. Sei que um dia poderemos, as leis terão que mudar. Mas, mesmo que não possamos, ainda assim não haverá problemas, porque, eu tenho você, e isto, já é o suficiente, já me faz o Anunnaki mais feliz e completo de todo o universo.
Eles se abraçam. Lizi novamente começa a chorar, mas, desta vez, não é tristeza. Nebo a ama, e agora, ela sabe, mais do que jamais soubera antes. O amor é recíproco, e verdadeiro. Daqueles que por si só já basta, que não oprime, nem aprisiona, que oferece tudo e, não exige nada em troca.
Um amor que existe por si só, que não depende de nada, a não ser do próprio amor.