CAPÍTULO 72

REGENCIA DE NIPPUR

Decreto nº 4242, Nippur, ano 2.

Estabelece a criação do “Espaço para Descanso e Nascimento – (EDEN)” para os Trabalhadores Primitivos doravante chamados de “Lulu Amelu”.
O CHANCELER DE NIPPUR, no uso da atribuição que lhe confere
DECRETA:
1 – Fica criado o “Espaço para Descanso e Nascimento – (EDEN)”, que servirá de abrigo e local de reprodução para os Lulu Amelus;
2 - Trinta (30) indivíduos, denominados “Lulu Amelus”, serão encaminhados para trabalhar na construção da cidade que abrigará os colonizadores, tanto residentes em Nippur quanto vindouros;
- Este será um período para verificação do comportamento dos “Lulu Amelus” perante o trabalho. Sendo esta, bem sucedida, serão encaminhados para trabalhar nas aralis;
- Todas as noites, os 30 indivíduos deverão ser encaminhados para repouso no EDEN.
3 – Sessenta (60) indivíduos, denominados “Lulu Amelus”, serão divididos em trinta casais e serão encaminhados ao EDEN com a única função de reprodução e geração de novos trabalhadores para servir aos Anunnakis;
- A reprodução será acompanhada pelos cientistas, com intenção de avaliar se as proles serão perfeitas e aptas.

Chanceler Enlil

- É o decreto que estipulou a criação do EDEN! – Fala Nebo.
- Mas, se havia um decreto do Chanceler, como nós fomos expulsos? – Pergunta Lizi -Eles não foram punidos por descumprir uma lei?
- O EDEN era muito mais confortável que os abrigos dos primeiros colonizadores - fala Nebo -, e Eridu ainda era só um projeto. Isso revoltou os Anunnakis. Eles não aceitaram que os escravos, os Lulu Amelus, possuíssem um abrigo mais confortável que eles próprios. Foi inveja pura e, o Chanceler, como bom político, ficou do lado dos Anunnakis, é claro. Ai o decreto caiu por terra.
Havia outra folha escrita no mural, era uma espécie de manual, de como os Lulu Amelus deviam ser criados e cuidados para se manterem saudáveis e aptos ao trabalho.

LULU AMELU – CUIDADOS NECESSÁRIOS

Definição das atribuições por idade (baseado no ciclo anual de Nippur):
- 1 aos 5 anos : Deve ficar somente com os genitores e não deve trabalhar;
- 5 aos 15 anos : Deve ser encaminhado para ser alfabetizado e aprender uma profissão. Volta aos cuidados dos genitores todas as noites;
- 15 aos 100 anos : Idade útil para o Trabalho/Reprodução em toda sua capacidade;
- 100 anos ao fim da vida : Apto ao trabalho, porém não deve ser submetido a trabalhos pesados. Aconselha-se que assumam cargos de Guias/orientadores. Não é mais capaz de reprodução.

Alimentação:

- Devem realizar três refeições por dia, conforme abaixo:
- Manhã: Desjejum reforçado, rico em calorias e nutrientes;
- Meio dia: Refeição completa, rica em calorias e nutrientes;
- Antes de dormir: Refeição leve e rica em fibras.
- Devem ser fornecidas as matérias primas selecionadas para a elaboração das refeições, estas serão preparadas pelos próprios Lulu Amelus, que receberão o treinamento para esta tarefa.

Descanso:

- Os Lulu Amelus possuem ritmo de vida relacionado com o ciclo de Nippur, portanto, ao contrário dos Anunnakis, necessitam dormir todas as noites;
- O tempo de sono mínimo necessário é de 8 (oito) horas por noite;
- Devem gozar de, pelo menos, um dia de descanso a cada seis de trabalho.

Agasalhos:

- Apesar da resistência natural ao clima de Nippur, se faz necessária proteção através de agasalhos, visto que os Lulu Amelus são desprovidos de pêlos e...

A manual prossegue apresentando detalhes sobre o ciclo de vida, cuidados médicos, dentários e demais informações sobre “como utilizar” os novos trabalhadores.
- Lembro deste manual. – Fala Nebo - Ele foi elaborado pela equipe da Doutora Nammu e entregue juntamente com os novos trabalhadores. O Chanceler preparou uma grande festa com a presença de todos os Anunnakis de Nippur para esta entrega. A empolgação era visível, todos esperavam o grande momento em que os Lulu Amelus seriam apresentados. Até aquele momento, apenas os cientistas e alguns lideres, com exceção de mim, tiveram a oportunidade de vê-los.
O Chanceler abril a festa com um caloroso discurso, frisando os benefícios que os Lulu Amelus iriam proporcionar aos Anunnakis que vivem e viveriam em Nippur, que a partir de agora poderão se preocupar em evoluir tecnologicamente, artisticamente e culturalmente ao invés de perder seu tempo com trabalho braçal. Comentou ainda que trinta trabalhadores serão disponibilizados imediatamente ao trabalho, primeiramente na cidade para avaliação de seu desempenho pelos cientistas e, se tudo correr bem, a próxima geração já iria para as aralis. Os outros iriam se reproduzir também para analise das proles e aumento do plantel.
O ponto alto, porém, foi quando as cortinas se abriram e, os Lulu Amelus foram mostrados no palanque do discurso. À frente estava Adapa, seguido pelos outro 90 exemplares. No início um grande “Ooohhhh” foi ouvido, mostrando a surpresa dos Anunnakis, que depois irromperam em gritos e aplausos. Aquilo foi para Nammu, que estava junto com sua criação, o reconhecimento pelo objetivo alcançado.
- Eu já os conhecia, virei amigo de Adapa – comentou orgulhosamente Nebo –, mas, para o restante dos colonizadores foi uma surpresa, uma agradável surpresa. Estavam vestidos com os uniformes criados exclusivamente para utilizarem no trabalho, eram confortáveis e quentes. Eram seres muito bonitos, e isso foi comentado por vários dos presentes.
Nammu foi chamada pelo Chanceler a frente do palanque e fez um discurso, no qual falou sobre o processo de criação e das dificuldades e acertos ocorridos no processo. Os discursos foram encerrados por Adapa que agradeceu aos Anunnakis pela sua criação e de seus irmãos e de como estavam felizes por existir.
Mal sabia Adapa, o que o destino reservava para sua espécie...

***

- Mandou me chamar senhor Reitor? – Fala Nammu, entrando na sala do Reitor.
- Sim doutora. Por favor, entre e sente-se – Responde o Reitor, apontando para uma das cadeiras em frente a sua mesa.
- Bem Doutora... vou direto ao assunto. – Começa o Reitor - Como sabe, nossa universidade recebe doações de muitos colaboradores, isso proporciona os recursos para mantermos a qualidade de sempre.
- Sim Reitor. Sei bem disso. – Nammu não estava entendendo onde ele queria chegar.
- É raro, mas, às vezes, estes grandes colaboradores nos pedem alguns favores. Favores estes, que não podemos recusar.
- Se é sobre os Lulus, sabe que temos um acordo... - – Nammu já imaginou que seria para falar sobre os Lulu Amelus. Eles haviam feito um acordo quando ela aceitou a cadeira para lecionar Genética Modificada, para que não precisasse falar sobre este assunto.
- Não, não, não.... não é sobre isso, pode ficar tranquila. Nosso acordo esta, e estará sempre, mantido.
Nammu não respondeu nada, ficou apenas olhando, curiosa, sobre o que seria tão importante a respeito dos investidores que precisasse daquela conversa.
- O que me foi solicitado por um dos grandes doadores, foi um pedido simples, e que, não vi motivos para recusar – comentou na tentativa de tranquilizar Nammu -, mas achei melhor informar, antecipadamente, minha mais graduada professora, afinal, você mesmo, recusou o cargo.
O reitor a havia convidado para assumir o cargo de coordenadora do curso de Engenharia Genética, mas, ela recusou, ficando somente com as aulas.
- Agradeço por me informar, mas, não vejo necessidade, ou terei poder de vetar a indicação?
- Infelizmente não, nem mesmo eu, nestas circunstâncias, possuo este poder. – Fala o Reitor - Mas, achei sensato lhe informar, afinal, o novo coordenador, é alguém que você conhece!
Nammu ficou pensativa, tentando imaginar quem seria. Não conseguia imaginar ninguém com perfil para o cargo. Nem teve tempo de perguntar, o comunicador da mesa do Reitor tocou. Era sua secretária, avisando que o novo coordenador do curso de Engenharia Genética o estava aguardando. O Reitor pediu para que entrasse, imediatamente.
A porta se abre e, Nammu não acredita no que seus olhos vêem. Levanta-se rapidamente da cadeira e, sem pensar, fala nervosamente:
- Você? Não é possível! Deve ser brincadeira!